Não existe mão invisível

O charlatão Adam Smith inventou que mercados se organizariam espontaneamente, como se fossem guiados por uma “mão invisível”. Falácia! Nós, materialistas históricos, sabemos muito bem que não existe ordem espontânea em nada no mundo. Toda ordem que existe precisa de um criador, ou, melhor dizendo, de uma classe criadora que moveu os papéis antes.

Abaixo, alguns exemplos que provam a tese da Dialética da Natureza: não existe mão invisível!

Os estorninhos só conseguem fazer isso porque adquiriram consciência da classe Aves e fizeram a revolução do passarinhado. Não existe mão invisível nem asa invisível.

As moléculas de água só conseguem fazer isso porque adquiriram consciência de classe como moléculas polares de padrão hexagonal de ligação e fizeram uma revolução para derrubar a burguesia das ligações iônicas. Não existe mão invisível molecular.

Essas fórmulas matemáticas só conseguem fazer isso porque uniram-se contra a exploração da mais-valia por parte da classe opressora dos gráficos desenhados no papel. Cabe aqui uma análise feminista-marxista também, pois o fractal começa com uma bunda. Não existe mão boba invisível.