Doutorado em entrevistar quatro “bichas pretas” e problematizar segundo Foucault

A Dra. Megg conseguiu seu título com muita criatividade pós-moderna em trocadilhos (“(r)existências”), uma mera pesquisa bibliográfica (que é só pré-requisito para qualquer doutorado), entrevistando apenas quatro professores gays negros (que ela xinga de “bichas pretas”), mas sobretudo problematizando muito segundo Foucault e a genial “teoria” interseccional, segundo a qual a sociedade é um inferno de Dante de opressões concêntricas, de modo que toda mulher lésbica negra está condenada a ter uma vida mais sofrida que alguém que seja mulher negra heterossexual, e esta, por sua vez, está condenada a sofrer mais que uma mulher branca heterossexual, que sofrerá mais que um homem branco cis heterossexual, e este último não sofre coisa nenhuma, é o demônio que existe para oprimir. Não peça evidências empíricas de que isso é verdade, o pós-modernismo não acredita em dar evidência para o que se afirma.